Um cristão chinês falou sobre a severa perseguição que ele sofreu e que outras crianças cristãs têm sofrido por causa de sua fé, desde o bullying e a discriminação na escola até as restrições à liberdade de pensamento e expressão religiosa.

“Crescer como cristão na China foi uma experiência difícil”, disse o chinês identificado apenas como “Enoch” durante o evento paralelo do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas: ‘China proíbe a fé para todas as crianças’, organizado pela Campanha do Jubileu na segunda-feira.

Como seu pai era pastor, toda a família de Enoque era monitorada por funcionários do Partido Comunista Chinês, vizinhos e câmeras de vigilância 24 horas por dia. A família foi proibida de se reunir para adorar na igreja, enquanto Enoque e seus irmãos foram condenados a se abster de compartilhar sua fé na escola.

“Devíamos acreditar apenas no Partido Comunista Chinês”, lembrou ele. “Se nossa filiação religiosa fosse descoberta, receberíamos punição da escola”.

Eventualmente, o pai de Enoque foi preso e detido por causa de sua fé e liderança cristã. Enquanto seu pai estava preso, Enoque enfrentou intimidação e ameaças de seus colegas, professores e funcionários do governo.

“Eu enfrentei a grosseria e a discriminação dos professores na escola”, disse ele. “Oficiais do governo ameaçaram meu pai, dizendo que se ele não cooperasse com eles, contratariam novamente membros do Partido para virem à minha escola me espancar. Eles também lhe disseram que eu não poderia ir para a faculdade, pois sou de uma família cristã e nunca passaria na seleção política”.

Conflitos na mente

No aniversário de Enoch, seu pai recebeu o direito de dar um telefonema.

“Sentimos que era uma bênção de Deus para nossa família”, disse o rapaz. “Falei com o meu pai ao telefone e não sabia bem o que dizer. Então eu pedi a ele apenas para cantar a música ‘Parabéns pra você’. E no final, nós dois começamos a chorar”.

Naquele momento, Enoque foi “dominado pela tristeza”, percebendo como sua vida era diferente por causa de sua fé cristã.

“Para uma criança normal, ouvir o pai dizer-lhe feliz aniversário é uma coisa normal, mas para mim, foi o presente mais especial que eu poderia pedir”, disse ele. “Por mais feliz que estivesse ao ouvi-lo, também fiquei triste e com raiva porque o governo me separou de meu pai quando eu era criança, apenas porque somos uma família cristã”.

“Minhas experiências de infância foram marcadas pela ausência de meu pai ao longo dos anos”, acrescentou.

Os advogados se recusaram a aceitar o caso de seu pai, e Enoque disse que sua família se sentiu “presa, como cristãos em um país onde … nunca poderemos ser verdadeiramente livres para praticar pacificamente e sem restrições”.

“Estávamos constantemente com medo de ser assediados por vizinhos, colegas e funcionários do governo, ou de sermos jogados na prisão”.
“É importante não esquecer”

Hoje, Enoch não mora mais na China. “Estou muito orgulhoso de ser cristão agora”, disse ele.

“Existem muitas famílias na China que sofreram uma situação semelhante à minha e que foram privadas desse direito básico à liberdade religiosa”, disse ele. “É importante que não nos esqueçamos de compartilhar essas histórias … de pessoas perseguidas.”

Enoque estava entre várias pessoas que compartilharam seus testemunhos pessoais ou de seus entes queridos sobre a perseguição religiosa na China. Membros das minorias religiosas muçulmanas uigures, budistas tibetanas e Falun Gong da China, todas vítimas e sobreviventes da perseguição dos filhos da fé pelo Partido Comunista Chinês, também se manifestaram.

Fonte: The Christian Post